Arquivo | julho, 2010

Devolvo-te o que nunca me entregou

29 jul

Eu não necessito mais de relógios, eu não quero saber em que dia estamos. Se for uma sexta-feira ou uma terça, não me importo sobre isso.  Quero apenas assistir, você correndo contra o tempo para me convencer que ainda dá tempo, eu preciso rir um pouco, enquanto seu cabelo é bagunçado pelo vento, e os ponteiros correrão mais rápidos que ti. Tic, tac, tic, tac, você piscou e o Sol deu espaço para a Lua. Tic, tac, tic, tac, não tenho medo da verdade nua e crua.

Se quer saber, eu não quero mais saber, já estava previsto que a gangorra perderia sua graça, subidas, descidas, os desafios para manter o equilíbrio, isso é coisa de criança, só não é mais doce que a minha vingança. Espere, não se dê ao luxo pensando que eu passei tardes e noites montando um plano infalível, pelo contrário, te presenteio com meu retrato e veja só, eu estou de braços cruzados, não me importo se te incomoda. Não serei hipócrita dizendo que foi um tempo perdido, foram bons momentos de distração. Mas eu não posso mais olhar em teus olhos, se eles não me dizem nada, o teu silêncio me matava,  era tão cedo para eu partir, resolvi dormir.

Acordei sem você, talvez na sua mente,  não sei aonde estou, não sei aonde vou. Liberte-me dos teus pensamentos, já passou da hora de procurar a melhor rua afora, vire à esquerda ou  à direita, eu seguirei reto, talvez eu alcance o Sol. E eu estou de vendo de novo,  com a certeza de que não é um delírio, sua respiração chega e me desnortear, eu não posso perder o foco, me deixa sozinha,  devolva minha paz.  Tropeçar em teus passos eu não quero mais, confesso que sinto falta e esse vazio me perfura, só que isso é normal para mais um dia de luta.

Foi uma batalha sem vencedor, foi um momento sem amor. Vire um copo em nome da dor, seja como for, depois de um certo período as brincadeiras são perdidas na geladeira, agora o frio te torna macio, agora acredito que vem de você.  Fazer Sol não significa que está calor, prova disso é te ver passar e minha face gelar, você diz que tem algo a dizer, porém nem vejo sua boca de mover.  O seu silêncio não me mata mais, de qualquer forma não te ouço.

Ei, olhe por onde anda, dias desses sonhei que te vi pela última vez num poço. Devo ter te matado em mim.

Anúncios

Sua chance de falar

25 jul

Me conte teus amores, confesse seus segredos, aponte os caminhos, aproveite que eu estou te ouvindo e eu pretendo ficar um pouco mais aqui. Desta vez eu estarei escutando, mesmo que sejam as canções indesejáveis, desta vez eu estarei viajando na sua mente tão imaginada, desta vez eu estarei confessando que papéis e planos não  nos leva a nada. Quanto tempo faz que não nos falamos, porque gritar, para mim, não é falar. Cheguei até a perder a voz, por conta da raiva que me subiu a cabeça, eram meus gritos abafados em choro, era minha ira refletida nos vidros estilhaçados,  era o choramingo de um abandono. Chegou a perder nós. Cheguei a nunca ganhar nós.

Não sei se peço a chuva para molhar meu corpo e assim eu reproduzir qualquer cena dramática que se encerre com um beijo, ou se quero mais é que o Sol se expanda e eu tenha direito a um desejo, bem que você podia me ajudar.  Afinal, tento te esquecer por que eu preciso ou por que você me pediu? Canto sozinha todas as músicas e esqueço a melodia, não dá pra perceber que eu perco o ritmo sem o teu embalo?  Só de lembrar em te esquecer, lembro o quanto te quero pra mim. Cresci na ilusão de que querer e poder,  e agora, quem vai bater na minha cara e dizer que a vida não é assim?

E eu não rio, porque não tem graça, mas não demora e o tempo passa, um dia chamarei tudo isso de velhas lembranças. O problema é que agora é tão novo, é tão eu, é tão minha vida, é tão sem saída. Todas as portas estão trancadas e eu fico sem opção, posso correr para qualquer lado até ficar tonta e embaçar minha visão. O último tango quero dançar com você, em passos fortes equilibrados com seus movimentos, o último espanto quero ter com você, me surpreenda falando que se equivocou, o último tem que se você, porque depois de ti, não há nada.

Ainda temos tempo para nos salvar, o tempo que nunca soubemos utilizar. Já recontei todas as histórias nesse meio vão da rua afora, e se for pra re alguma coisa, que seja reescrever. Ou eu sumo desde o início, ou aceites que é meu vício.

Esqueceste as mentiras debaixo do travesseiro, continuo dormindo ao lado delas.

Sétima Fuga

21 jul

De amor da tua vida tornei-me a mais salgada ferida
Eu errei, tu erraste, eles acertaram e não foi como a gente queria
Nao sei se procuro te buscar ou se acho aonde me levar
O Sol é o sinal de que podes ir embora sem carregar a culpa
Deixei a porta semi-aberta justamente por teus pretextos
Ela carrega sentimentos, ilusões, palavras que fortalecem a luta
Andei tanto e entre a empolgação te perdi no meio do caminho
Até que eu poderia voltar, até que eu poderia seguir
Resolvi parar
Parei de saber
Parei de dizer
Parei de sorrir
Parei de fingir
Parei de seguir
Parei de voar
Enquanto minhas asas falham eu me junto ao chão
Praticamente rastejando, sinto o sereno da noite anterior
Mas eu já sei que eu não sei
Nem nunca vou saber, despedaço os momentos
Não existe em cartilhas o nosso salvamento
Sinto em te dizer que eu não sinto nada
Falo sem querer que eu falo por falar
Bom dia, boa tarde, boa noite, boa madrugada
Por que queres saber quem eu sou?
Suas respostas foram rasgadas

Entre as batidas do meu coração

20 jul

Mais uma vez, como o imaginado, assim que demos início ao Era Uma Vez não temos o direito de protestar que não era esperado. Enquanto eu sumi de todos os mapas pensava no que era melhor, voltar logo ou nunca voltar? Sabe por que eu fugi? Por não querer ouvir um adeus. É algo tão dramático, recordar os bons momentos prometendo que nunca serão esquecidos, para simplesmente apontar os erros como chave da porta principal. Por que não um até mais ver? Por que não tchau? Só o baque de um adeus responde isso.

Quem já ouviu adeus alguma vez na vida sabe o quão doloroso é, mas dói tanto suas afirmações de que assim será melhor, já tentou ficar para ao menos tentar mudar de opinião? Eu deveria ter preparado uma despedida melhor, talvez mais algumas garrafas, mais uns convidados, isso, eu deveria ter chamado mais pessoas, afinal, de qualquer forma só restará a mim.  Seria ousadia minha pedir um último favor? Quando pensar em me esquecer, esqueça de pensar. Quando me pedir para que eu seja feliz, se convide para me fazer. Quando te faltar um sonho, se afogue em nossas memórias. Não foi antes, pode até ser que seja depois, mas estamos no agora.

Diga o que tem que dizer, as lágrimas já estão prontas. No momento só quero dormir, com o pouco que me resta da mistura do cheiro de nossos perfumes. Você deveria fechar seus olhos enquanto nossos lábios se tocam e os nossos corpos,automaticamente, balançarão ao som da música ambiente, eu aperto sua nuca delicadamente te pedindo proteção e você me responde envolvendo seus braços em minha cintura. Do que adianta estar no lugar certo se é a hora errada? Me leve de volta para lá quando for a hora certa.

Nos meus sonhos você não manda, eu realmente só preciso dormir, para me embriagar nos delírios sem vontade de acordar. Você pode sair quantas vezes quiser, onde você estiver, eu vou estar, eu sei que vou te reencontrar… nem que seja em outra vida. De qualquer forma, antes se deitar, relembre-se que não se separa aquilo que a vida juntou. É forte demais para você entender isso, porém você precisa ao menos tentar. Tente ao menos uma vez, tudo se encaixará com maior suavidade e suas dúvidas perderão a máscara de monstro.

As perguntas ficam comigo, servem de pretexto para em ti achar as respostas. Todas as noites que eu perdi buscando te achar e quando falhava, no dia seguinte, o Sol surgia entre as nuvens e no seu carro a neblina atrapalhava sua visão, era tudo uma armação minha, você não podia seguir em frente e voltava para casa. Falar que morro por você não é declaração de amor, é atestado de desistência. A morte só prova que chegou o primeiro fim.

Você é a razão para todo o furor dessa emoção. Vivo nesse paradoxo enquanto você (sobre)vive em mim.

O Novo Velho

10 jul

Eu queria uma casa nova, roupas novas, carro novo, músicas novas, cabelo novo, perfume novo, pessoas novas ou novas pessoas. Continuo naquele mesmo lugar, vestindo as mesmas coisas, andando com o mesmo carro sempre com o motor falhando, ouvindo as mesmas músicas na mesma ordem, o mesmo corte sem graça de cabelo, o mesmo cheiro permanece na minha pele, os mesmo rostos ao meu redor. As tantas velhas novidades que surgiram para ficar, queria mesmo um novo amor, um amor para chamar de meu, sem fantasias, sem histórias, sem Julieta e Romeu. Quero um final além do veneno.

Bem que podia ser amanhã, não teria as preocupações de hoje. Pare, eu quero correr sem você, pare, não é mais preciso prosseguir, não ao meu lado. É isto está quebrado, não pergunto mais, já é certo que o conserto se fechou e isso é demais pra mim. Não tem o gosto salgado das lágrimas, é uma farsa, um teatro que treinou em frente ao espelho enquanto o holofote não apontava para você. Agora que eu te dei toda atenção do mundo, ganhei seu espetáculo, perdeu meus aplausos.. como vou sentir orgulho dos seus pensamentos tão pequenos comparada as nossas promesas tão imensas. Bom dia, boa tarde, boa noite, eu te amo. Isso tudo é a mesma coisa. Isso tudo é o mesmo engano.

Estou ficando louca e me perdendo nos meus próprios delírios, não quero saber se você concorda com isso, deixa que dos meus devaneios, cuido eu. Não insista, não me chame, não corra, não me procure, a cura de tudo isso está na sua ignorância expelida por sua saliva, me tornei surda para a sua voz. O mapa dos problemas tem um caminho sem fim, e se for pra ser assim, prefiro voltar, voltar sem você, você que me fez escolher o outro caminho, caminho que machucou meus pés, pés que pedem o atrás, atrás onde não tinha sua existência, existência da sua essência, essência cítrica e forte ao pé do meu ouvido, ouvido que sente seus sussurros implorando o perdão, perdão, desaprendi a perdoar.

Trocarei a minha fechadura, estarei no mesmo endereço.  Isso não significa que podes me procurar, eu não existo mais, considere isto, não me pareceu difícil pensar ao sim ao esbarrar com teu corpo em outros braços. Recaída é um bom pretexto para fracos, o ponto de combinar contigo é que minha fraqueza foi ignorar os meros aspectos. Fraqueza e ignorância, um bom casal.. para ficar longe de mim.

O tempo correu e eu corri junto, esquivarei minhas mãos das tuas quantas vezes forem precisas, eu busco um novo mundo. Antigamente éramos o dois na metamorfose de um, sua evolução foi tornar-se nenhum. Mentir é fácil, acreditar numa mentira é mais fácil ainda. Um copo de café, por favor,  preciso acordar para a cena final, foi um bom show.

E no final, a plateia tem que ir embora. Não se pergunte porquê justo agora, de tão tarde já estou lá fora.

Como assim

8 jul

Como assim você não precisa mais da chave dessa casa? Como assim a qualquer hora o vento vem e leva tudo por onde passa? Eu não estava preparada, na verdade, nunca pensei em ter que me preparar para uma situação assim. Não estava nos meus planos, nem nunca estaria. Um sonho pode custar caro, paralelo a realidade, não sei como volto para o chão sem a incerteza de me machucar. Voando sem treinar as asas. Sinto sua respiração perto dos meus ouvidos, você me parece cansado, não é melhor dormir antes de se decidir?

Como assim é definitivo? Quem é você pra me dizer que assim vai ser, se não honrou tuas palavras, se não  falou quando tinha que dizer. Estarei te assistindo, em cada dia sozinho, todos os minutos, todos os segundos, todo o tempo que parou no meio do caminho. Mais um dia, menos uma noite, isso ainda pode mudar, prefiro acreditar que tudo isso é um susto, uma brincadeira de mal gosto, qualquer coisa que me garanta que podemos reverter a situação. É só um encontro entre você e o que você queria ser, mas nunca vai acontecer, enterre em sua outra vida enquanto ainda dá tempo de crescer.  Me deixa tentar respirar, essa agonia toda quase chega a me matar. Eu pude sentir meu coração desacelerar, eu pude sentir tudo girar, eu pude mentir que vi a tal da luz branca, mas eu não morreria sem antes te ver uma última vez.

Como assim tem uma carta de despedida em cima do meu travesseiro? Não me avisaram que já era a hora de saída, também não me avisaram que você ia voltar. E vai acontecer de novo? Deitada na grama com vestígios do sereno da noite anterior e de longe ouvindo seus passos fortes para depois você deitar do meu lado e dizer que vai ser de verdade dessa vez. Te soa hipócrita me iludir dizendo que seria de verdade, quer dizer, então, que o resto foi tudo mentira? E você quis manter essa mentira, e você viveu uma mentira,  continua sendo mentira seus bilhetes de amor da minha vida? Que vida é essa que nunca soubes viver?

Como assim você não sabe o que aconteceu? Pensando em nunca voltar a amar, sem nem saber direito o que é isso, sinceramente, só consigo me surpreender. Agora essa música já não é mais tão legal assim, não satisfazem meus ouvidos como antes, é só mais um zumbido entre um milhão de outros. No topo chegamos, no topo paramos, justo agora que teríamos novos caminhos para conhecer e desfrutar. Não minto nem desminto que continuarei esperando, você precisa saber como é viver levando junto somente incertezas, você precisa saber como é depender de outro  humor, você precisa saber o que é falta de amor. Não entenda como uma vingança, mas como uma lição.

Como assim?  Teu cheiro em mim.

Rascunho Reescrito

7 jul

Não tenho muito a dizer, não tenho muito a pedir, são tantos meses separados e eu ainda sinto você aqui. E esse estúpido sentimento pesa tanto nas minhas mãos, você poderia fazer o favor de levar contigo, eu não me importo se vocês não vão voltar, já me basta você. Eu não queria perder algo. Acabei perdendo alguém. Sei que é pecaminoso dizer que preferia te ver morrer, esse meu egoísmo é culpa sua por me fazer acreditar. Deixei de enxergar porque você prometeu me guiar. Eu fui rumo à um precipício.

Mistura de fraqueza com saudade, assim me descreveria, você só precisa dizer meu nome e garantir que tudo vai voltar ao normal. Parece idiota ficar te esperando, quanto tempo isso vai me custar? Me pergunto isso todos os dias, de alguma forma isso faz o tempo passar. Não tem sentido eu ocupar meu tempo se de alguma forma voltarei a você, eu deveria ter mudado meu caminho ao perceber que voltava para o início. Talvez seja tarde demais e o certo seria eu aceitar, mas você sabe que eu não sou assim, vou insistir. Por que acabou? Por que quebrou? Por que tenho que buscar os porquês? Você não vai me responder. Talvez seja tão cedo que eu esteja sofrendo por antecipação, é que estou tão acostumada com esses ciclos, depois que chega o pico, só tende a descer. Caindo, caindo, nosso mundo está caindo. Ou seria o teu mundo. Ou seria o meu mundo. Misturamos tanto que perdemos o senso da direção.

Esta é a terceira vez que eu digo que é a última vez que vai ser, dependo da quarta ou me resta o fim. Aceita mais uma dose de drama antes  de se decidir? Se te conforta, tenho aqui uma garrafa inteira. Me culpe pelos seus pecados, me culpe por ser louca por você. Loucura maior seria se lembrasse de te esquecer. Alimento o meu vício me questionando quando vou te reencontrar, esqueceste um maço de cigarro em cima da mesa, talvez a fumaça te faça voltar.

Ei, eu estou vendendo uma porção de amor. A procura é tanta que em vez de balas, no troco te dou a dor.