Arquivo | setembro, 2010

Infinita Turbulência

26 set

Me conte quanto tempo demora para ir e voltar. E nessas tantas tentativas você encontrou novos atalhos? Estou tão louca para saber, por favor, não omita nenhum detalhe. Quantas estradas desviaram seu caminho? Com quem você se esbarrou? Alguém te deu carinho? Ou ninguém te deu nada e por isso voltou para casa?

Queria saber de verdade, o teu significado de saudade.. enquanto eu colhia tua ausência, regada pela essência, você caminhava por aí, quem sabe até voava, eu sempre vou ficar na dúvida, eu sempre não vou saber se nada, e mesmo que eu seja a última a saber, metade do fato é esquecido em outro ouvido. Você deveria ficar aqui. Você deveria se decidir. Arruma suas malas como se fosse automático, desvio os meus olhos de um jeito tão enfático. É, só pode ter sido um engano, tocou a campainha errada, te ver mais uma vez não estava nos meus planos. Mas olha só, pela  centésima vez estou conhecendo alguém que já conhecia, aquele cara que de noite diz que me ama e de durante o dia desaparecia. Tem medo do Sol, tem medo da luz, tenta me convencer que o melhor é o que eu sempre fui. Não adianta mudar.

Porque eu já decorei tuas frases, tuas falas, tuas reações. Porque eu ensaiei os meus recados, os meus bilhetes, as minhas situações. Vai que acontece de repetir, como sempre, vai que acontece de mentir pra mim.. pra sempre… Pena que só dessa vez eu digo sempre como se fosse eternamente, eu sinto muito, mesmo sabendo que você não sente mais nada ou nunca sentiu nada, porque qualquer palavra já era supostamente planejada para me fazer cair. E agora? Como é que fica a história? Ainda não se vem ou de demora? Preciso tanto das respostas, mais um capítulo chega ao fim.

Se fosse assim, se fosse pra dizer sim, se fosse, então, enfim.. e se fosse verdade que sente saudade? Apenas de mim.

Saidera

25 set

Não faz sentido, colecionamos corações partidos que habitam as casas que parecem até vazias.  Mas eu ouço uma voz e, dessa vez, não é sobre nós, estão tão a sós ou simplesmente só? Nunca 15 centímetros foi algo tão longe, o tão distante que eu consigo ver daqui. E ver do jeito que eu vejo não vai ajudar, alguém me acorda? Só assim eu paro de voar.

Eu que ia tão longe, acabei ficando tão perto.  Já reconheço o cheiro deste cômodo, já decorei as fotos que enfeitam os porta-retratos,  sempre quis saber se esse sorriso era só pose ou se estava mesmo feliz enquanto o flash te delineava. Ainda guardo aquela foto, naquela carteira, daquele dia, daquela hora, daquele lugar. Eu só queria ser especial, porque você é tão especial… tão especial.. eu sorrio do nada sabendo que o motivo é tudo, mas tudo se tornou tão vago, planto minhas memórias diariamente esperando o dia em que colher-as-ei.

‘’Eu nunca vou te deixar, eu estarei sempre aqui’’, chegava a soar tão pleonástico, chegava a soar tão confortante, só que num instante a estrutura desabou. Se fosse uma ponte, nesse momento eu estaria me afogando, lutando contra as ondas e engolindo a água salgada num mar desconhecido, se fosse um avião, a turbulência seria tão constante e obrigatoriamente o botão de emergência seria acionado, mas não é nenhum desses ‘se’, mas é sobre minha vida, se eu buscar a primeira saída é o mesmo que o suicídio espiritual.

Reclamei que meu telefone não tocava, na verdade, ele estava desligado, eu já sei que você também se desligou. Eu tô ligada, que é no vento que tudo acaba, já que ele tudo espalha. Então deixe por aí o que esqueceu aqui, então me deixe por aí enquanto  tu ficas lá, então só resta o final da festa, aproveite enquanto o som está no último volume.

Justo agora, eu acabara de me acostumar com teus costumes.

Por una cabeza

23 set

Era uma folha em branco, pouco a pouco foi ganhando pedaços de esboços feito a lápis, sem a preocupação de errar. A borracha em cima da mesa era a arma de ataque e a defesa mais adequada a se usar. Mas como está? Onde está? Quem está? Eu não paro de me indagar. Eu não sei, capaz que esteja lpa, com um nome qualquer…deixei as interrogações no ar.

Logo eu, que pedi pelas certezas antes de adormecer. Logo você, que deixou um bilhete na geladeira perindo para esquecer. Isso só me faz querer, isso só me faz lembrar do veneno que eu tomei sem ao menos te falar, ainda sinto o gosto entre meus lábios, tão longe de ser doce, um pouco perto do amargo, as palavras dançam ao serem proferidas, eu já não ouço essa música, eu não sou mais sua querida.

Meu amor, ou não tão meu assim, precisamos caminhar, porém não quero aceitar que mesmo em rumos diferentes nos esbarraremos no mesmo lugar, no final. Eu preciso parar,nem que seja para pensar. Faz Sol, mas aqui está tão frio, meus olhos chegam a nevar, essa água é sólida mas também pode fraquejar, de bela neva a poça que o carro vai espalhar. Por que mentiu ao dizer que não mentiria? A noite corre e caminha o dia, estou fumando mais um maço de ilusões, sinceramente, espero que a fumaça  fique impregnada nas tuas emoções (no dia em que você as tiver).

Eu sei, não se sabe de nada. Pensei, em uma nova jornada, me resta comprar novas malas, deixei a culpa na tua sacada, sem indicações do meu novo caminho, enquanto isso, eu espero meu tango argentino.

Ela está chegando

17 set

E tu a conhece? Conheço quem? Não sabe de quem estou falando? Não tenho ideia. Como não? Ela te persegue, se apega à tua alma de uma maneira que não tem como se livrar, aí você acha que ela foi embora, mas ela volta, te trazendo uma nova canção, revirando memórias, fugindo com o teu riso e o porquê de ela fazer tudo isso eu já não sei. Nossa, como alguém pode ser tão cruel? Também não sei.

E eu ficava assim por horas, no meu monólogo mental, me perguntando e respondendo com mais perguntas, enquanto as interrogações giravam em minha cabeça o  meu olhar se perdia no vácuo. Estava acordada, meus pensamentos não viam a hora de dormir. Me sustentava com a vontadade do novo esquecida pelo velho, estava quase me acostumando com toda essa transição, se não fosse por um detalhe. A tal da falta. Me falta tudo, porque, na verdade, eu não me contento com o que tenho, porque o que hoje tenho é aquilo o que ontem eu tanto desejava. Não me canso de alcançar o pico da montanha, para depois deslizar suavemente recuperando as energias para depois escalar tudo de novo.

Por enquanto, ainda não cansei, então penso que vai ser sempre assim. Até alguém apontar pra minha cara e dizer que sou idiota por acreditar no pra sempre. Espera aí, quem disse que o meu pra sempre é igual ao seu? Se você segue o que o dicionário está dizendo a culpa não é minha, eu não revelei a minha simbologia para te dar o direito de julgar. Virou tão rotineiro as respostas automáticas, é necessário um disparo para despertar os passos ecoados em minha volta, é por isso que os caminhos se cruzam, tem sempre alguém te seguindo. E você vai estar seguindo alguém, se não estiver procurando.

Até eu me perder novamente no meio do percurso, mais uma vez, sem o mapa ou sem uma bussola que me aponte a melhor direção. Sentada no sofá e folheando um livro desconhecido, bateram a minha porta. Estava de pijama e mesmo assim fui atender, sem olhar para o olho mágico. Se fosse um ladrão? Ora, era seu dia de sorte.

E era ela. E me roubou suspiros, e me roubou delírios, e me roubou sussurros incompreensíveis, e me roubou um punhado de versos. Mesmo que eu sem convites, virei anfitriã da festa da saudade.

Destino adormecido

12 set

Você ficaria acordado por mim? Mesmo que tua maior vontade fosse dormir, é que eu preciso tanto sentir tua respiração entre meus sonhos e mais do que isso, sentir aquela sensação de que você me protege com os olhos enquanto eu tento adormecer. Ao menos, você tentaria isso? Só por uma noite, só por 5 minutos, é te pedir muito?

Já parou para pensar e se essa avenida não existisse, aonde iríamos nos esbarrar? A fumaça expelida pelos carros que demoraram a sair dos meus cabelos, o teu rosto meio embaçado nunca saiu dos meus pensamentos. É tão rápido para ir, por que demora a voltar? A garota está no meio da sala, sentada e zapeando os canais da televisão, nada lhe agrada, não procura risadas, tampouco filmes de ação. De ação já basta sua vida conturbada, não sabe o que é rotina, cada dia é um dia, só se repete o final. Nada mal, para quem sempre procurou o diferente, não leve a mal, o que não se diz a gente sente. Eu aceito que você não me ama, eu acredito que você não me odeia. Eu percebi o quanto sou indiretente. E agora, eu sinto falta de tudo, eu fico em busca de pedaços, já que não há mais nada inteiro. Andar e correr, cansa tanto, mas se eu paro no meio do caminho é assinar o atestado de perca eterna.

A gaveta foi aberta, junto a isso, velhos papéis voaram e os segredos foram revelados. Não era segredo, foi você quem nunca quis enxergar. Horas e horas no telefone e hoje segundos só para ouvir o silêncio, sim, sim, sim, sou eu o número não identificado, não, não, não, não sou no teu porta-retrato, mas tenho que admitir, ela tem um sorriso lindo e parece estar feliz ao teu lado. Isso está me matando e eu não acho a chave dessa gaveta, preciso reescrever tudo, de vazio já basta… este vão que se aflorou entre nós.

Des.ti.no s.m: A fatalidade a que estariam sujeitas todas as pessoas e todas as coisas do mundo; fado; fortuna;direção. Supostamente foi inevitável o choque entre nossos corpos numa quarta-feira tão movimentada, seria então, obra do destino tudo isso? Lamentar as perdas e erros, não te faz prosseguir, a vida não pára no meio do caminho, ela corre e você precisa acompanhá-la. Caminhos se cruzam, caminhos se afastam, os rumos sofrem metamorfoses constantes. O destino pode até ser direção, esquerda, direita, a frente, não importa, de alguma forma todos chegam no final.

Ela nunca o deixou esperando no portão.

Símbolo Encontrado

11 set

É tão longe, tão distante, tão vazio. Deves estar se perguntando o que eu estou retratando com tamanha descrição subjetividade, sendo que na verdade, nem eu sei. Parece que já vivi essa cena pelo menos umas quinze vezes, apenas mudei minha roupa, porque de resto.. até o cheiro já é reconhecido por minhas narinas, é exalado raiva, ira, entre uma e outra cuspida. Busca um controle remoto que passe isso tudo adiante.

Já não confio na minha sanidade, parece que tudo vai para trás. De certo, às vezes é preciso voltar um passo para prosseguir com dez passos, só que estou mais cambaleando do que outra coisa. Não consigo sair desse lugar por mais que seja o que eu mais quero, meus pés se infiltraram entre as raízes, estou ciente de que não falta muito para que eu seja a nova árvore. Árvore, simbologia da vida humana, da força, da esperança, do nascer. Ninguém percebe o quão misteriosa é uma árvore, chama teus olhos para as folhas e a tua atenção para os frutos, só as crianças me entenderiam agora, fazem de tudo para escalar a árvore mais gigante do parque, só que o mais alto que eu alcancei não passou do teu olhar.

Preciso me salvar, já que não me salvou, não são bilhetes que me agradam, tampouco relembrar o que restou. Se acaso houver a chance de você partir, não hesite, a porta está aberta, eu estou trancada. Quer ir, vá, não são minhas mãos que seguram os teus braços, há muito tempo estou ocupada desatando nós e laços, que me sufocam, me agridem, eu não me conformo com a imagem que fotografei com meus olhos aqui da minha janela. E quando eu te encontrar, preciso te dizer, que não há mais nada para falar e muito menos para fazer, escolhi o tempo como meu remédio e a cada dose percebo o quanto tudo corre enquanto estou apenas caminhando.

Me custa tanto perguntar e arranjar perguntas de respostas, eu chego mais abaixo que os teus passos sem ninguém (me) perceber, pensamento positivo, as coisas vão mudar para melhor. Como é para você andar tão tranquilamente enquanto te serviram de tapete? E se esse tapete já não está sujo o suficiente e precisava ser lavado? Você simplesmente o jogou fora… como quem joga o papel que embrulha a bala, bem assim, pela janela do carro.

Os dias perfeitos terminaram sem as noites, mas o que eu posso fazer? É mais fácil matar do que solucionar. Ainda não decifrei o teu sorriso e me cansei de tentar, então você aparenta estar tão sozinho, eu sei, tem muita gente em sua volta. É como um círculo, em volta tudo perfeito, por dentro é oco e vazio. Anseia ser esfera.

É como um ciclo, primeiro você espera, só depois percebe quem partiu.

Cotidiano de uma veterana

8 set

Apaguei e reescrevi, parece que no final sempre faltava alguma coisa. Sabe, aquela sensação de buscar uma palavra que se encaixe ou algo que deixe em rima constante? Ou simplesmente um verso que seja tão doloroso e marcante quanto uma tatuagem. Falha minha, não consegui.

Faz frio, lá ou aqui, propositalmente ou não, você esqueceu o seu casaco em cima da cadeira da sala de estar e o que eu faço? Visto-o deixando impregnado o teu cheiro em mim ou estremeço com meus dentes rangendo mesmo que as janelas estejam trancadas? Enquanto me decido estou congelando, cabe a mim decidir se transformo em gelo o que apelidei de coração. Perdão, um gelo é tão fácil de ser quebrado. Seria minha escolha seis por meia dúzia? Meus pensamentos estão fartos demais para se esforçar. E meio que sem pensar, opto por minha velha jaqueta e saio rua a fora, os carros esqueceram de sair da garagem e as pessoas dão predileção à lareira.

Olha só que besteira, eu deveria estar em casa. Você também deveria estar. Mas não estamos, nós fomos um completo engano.  Eu sei que você tem que procurar justificativas para os bilhetes em sua carteira, a minha foto não está mais lá, tudo bem, eu digo que está tudo bem, mas os meus olhos me desarmam revelando que não está tão bem assim. Bem que podia chover. Não me diga que foi sem querer, que não fez por mal, se não queria assim, nem um pouco de mim, não digo literalmente, se é que você me entende, te embrulhei o meu amor.

E hoje ele está naquela caixinha enlaçada em vermelho. Peço para quem achar, achar também o meu reflexo em teu espelho… eu já não me vejo mais. Eu não menti quando deixei o amor para o final.

Mas é um diferente tão igual.. ao que já vivi.