Arquivo | outubro, 2012

Preparar, apontar

26 out

Comecei do meio

Por ter medo do início, por perder todos meus vícios.

O começo é sempre uma maravilha.

Te tenho de noite, te tenho de dia.

Até que isso muda e já não tenho suas vinte e quatro horas.

Até que não me escuta, não decifra meu sorriso enquanto me olha.

Tá tudo errado.

Você me deixou.

Você me deixou,

de lado.

Anúncios

Coreografia

10 out

Eu quero teu sorriso, não teu coração. Já é difícil cuidar só do meu coração, imagina do meu e do teu? Mas o teu sorriso, ah, o teu sorriso pode deixar comigo. Prometo torná-lo a curva mais marcante, mas sem perder a suavidade. Prometo torná-lo excitante em todos os nossos momentos pelo fim da tarde.

Trocam-se os meses e eu não te troco. Mas você me deu o troco. Ameacei te largar, achei que tivesse te largado e no final eu tinha me largado. Me larguei no sofá, eu e tuas cinzas. Nada que um aspirador não resolva. Aspirantes à amantes, negamos tudo, não temos nada, na frente das câmeras, no meio da sala.

Mas tu entra no meu quarto, o meu espaço. Mas eu entro no teu quarto, o nosso espaço. Sim, eu sou a invasora e tenho plena noção das minhas provocações. Provoco uma ação, mas tu não a faz. Sempre me deixa no quase. Me fazendo querer mais, te querer mais. É um querer amargo, mas teu olhar é doce. Então suspiro e aceito ficar.

Fico nessa condição de prisioneira da liberdade. Sou livre, mas nem tudo posso. Sou livre, só quero o que não posso. Tenho medo de um dia poder e não querer mais. Nada é maior do que o encanto do proibido. Um encontro escondido, um dia perdido. Ganhei uma noite, ganhei minha noite. Me ganhou. Desde a primeira vez.

Ora, nós fomos feitos para o romance dos livros. Hoje é lindo. Amanhã somos esquecidos na biblioteca municipal. Pra sempre na minha estante. Mas olha, te peço mais um instante, eu sei que você detesta esperar, mas eu fiz café. Do jeito que tu gosta. O quase queimar da língua. No fundo você é meio masoquista, prova disso é o teu ritmo.

Me balanças de tal maneira que perco o equilíbrio. Eu desabei, eu desmoronei. E não foi a primeira vez. Tola que sou, quero dançar de novo, sentir o teu balanço mais uma vez. É só errar de passo  que perdemos a sincronia.

Chegou a hora de partir de novo. Dançamos em outro dia.